La Famiglia Barca Velha
bebes.comes 09/01/2016

“E de repente, como aos momentos algumas vezes acontece, tornou-se eterno.”

José Saramago

Quase todos já ouvimos falar no famoso Barca Velha. Mesmo os que não conhecem muito sobre vinho, ou não têm por hábito bebê-lo, usam simbólicamente o nome Barca Velha quando se querem referir a um produto topo de gama, de luxo e excelência. Já para os apreciadores de vinho, é algo com um estatuto inatingível, a que se aspira, muitas vezes com a certeza de que nunca o iremos provar. Nós estávamos dentro dessa categoria… mas tudo na vida pode mudar…

Afinal, que mítico vinho é esse, e porque é tão famoso?

O Barca Velha da Casa Ferreirinha é um vinho tinto do Douro, criado por Fernando Nicolau de Almeida em 1952, na Quinta do Vale Meão. Surge só em colheitas excepcionais, e é o único que chega ao mercado depois de uns oito anos de estágio em garrafa. Tudo se começou a desenhar já na altura de Dona Antónia Adelaide Ferreira, com a aquisição e construção do Vale Meão. A história do vinho começa depois, quando o então responsável pela enologia, Fernando Nicolau de Almeida, que passou grande parte de sua vida a estudar os métodos de vinificação nas regiões de França e Espanha, decide partir para a criação do melhor vinho português já produzido!

Conta a “lenda” que este génio genioso, contra tudo e contra todos, sonhou elaborar um grande vinho de mesa do Douro, capaz de se bater com os melhores de Bordéus, Borgonha e Rioja, elegantes e famosos por durar décadas. Isto “numa altura em que o que se bebia era zurrapa”…

Sem diploma universitário, Fernando Nicolau de Almeida tinha o “know how” e a experiência de muitos anos de observação, para poder ultrapassar todos os obstáculos face ao pretendido. O controlo de temperatura era o maior obstáculo para conseguir um grande vinho, e os métodos de refrigeração que vira em Bordéus não eram fáceis de transpôr para o Douro, e muito menos para o Vale Meão.

Face a isto “no Inverno anterior, mandou construir em Gaia uma tina de madeira com um metro de altura por um metro de largura. Na véspera de começar a vindima, fez seguir para o Vale Meão camionetas carregadas de blocos de gelo envolto em serrim que comprou numa fábrica de conservas em Matosinhos. Ao passar pelo gelo, o mosto arrefecia.”

De todas estas aventuras e experiências nasce o primeiro Barca Velha, que só saiu para o mercado ao fim de alguns anos, mas foi desde logo um sucesso “passando a marcar presença em cerimónias especiais e nas mesas mais abastadas”. Fernando Nicolau de Almeida decidiu que o vinho só seria feito em anos excepcionais, quando a qualidade das uvas atingisse um nível superior.

De 1952 até aos dias de hoje apenas foram declaradas 17 colheitas de Barca Velha:

. 12 colheitas por Fernando Nicolau de Almeida (1952, 1953, 1954, 1957, 1964, 1965, 1966, 1978 1981, 1982, 1983, 1985)
. 3 colheitas por José Maria Soares Franco (1991, 1995 e 1999)
. as duas últimas por Luís Sottomayor (2000 e 2004)

Inicialmente produzido no Vale Meão, nem sempre todas as uvas utilizadas foram provenientes desta quinta, algumas vinham das partes mais altas e graníticas da Meda, para dar mais frescura, acidez e equilíbrio. Em 1987, quando a Sogrape adquiriu a Casa Ferreira, a Quinta do Vale Meão passou para alguns herdeiros de Dona Antónia A. Ferreira, e acabou mais tarde por ser comprada por Francisco Olazabal, que em 1999 lançou o seu próprio vinho. As uvas destinadas ao Barca Velha começaram assim a ser provenientes de diversos terroirs, e o Barca Velha de 2000, ainda orientado por Soares Franco mas lançado já sob a supervisão de Luís Sottomayor, foi o último a ser vinificado na Quinta do Vale Meão.

Muito mudou desde o primeiro Barca Velha… são diferentes a adega, o método de vinificação, a origem das uvas e até a madeira utilizada. No entanto, continua-se a respeitar a filosofia do seu criador e a manter os mesmos níveis de exigência.

Uma “lenda” como qualquer outra, que pode morrer à luz da realidade e que se vale na História, na inovação e na importante mudança de paradigmas que originou. Nestas circunstâncias, compreende-se que para alguns a abertura de um vinho como este possa ferir expectativas, mas porque as têm muito altas, pois que há mais variantes a serem levadas em conta. Na História dos livros da escola não se aprende sobre o Barca Velha, sobre o vinho, sobre o Douro e as condições em que o mesmo se fazia… Se assim fosse, os nossos jovens podiam ouvir falar dos quilos de uvas carregados às costas, das condições mais rudimentares, de homens como Fernando Nicolau de Almeida, de personalidade vincada e criativa, numa época em que nem electricidade havia…

conjunto-garrafas-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomesphoto-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomesservir-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomessrew-wine-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomesgarrafas-foto-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomesdecanter-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomesprova-restaurante-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomesdrink-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomescansatra-fidalgo-praia-costa-nova-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomescanastra-fidalgo-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomesgrupo-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomes

E o que dizer de um grupo de “curiosos” que embarca na aventura de abrir 13 colheitas de Barca Velha?

Onze amigos que durante um ano prepararam A Prova, e que acreditamos terem passado também a fazer parte desta História. 11 “galácticos” como nos chamaram. E porque é raro o feedback de uma prova destas, deixamos algumas notas soltas do que mais nos marcou, sem deixar de ressalvar que um ou outro ano possa ter sido prejudicado/beneficiado em face das condições de guarda.

A partir de 1964 foi possível arranjarmos todas as colheitas, e embora não tenha sido consensual, a prova iniciou da colheita mais recente para a mais antiga:

. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 2004: O primeiro a ser vinificado na Quinta da Leda, apresentou-se volumoso e com muita acidez, de final longo e complexo, está ainda muito jovem e pujante, a antever um grande vinho de culto e de guarda.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 2000: Cor intensa, presenças fortes da fruta madura e especiarias, com complexidade, boa acidez e taninos firmes, mas ainda tão jovem e elegante que nos deixa a salivar. Resultado de uma vindima caótica, com a partilha na adega com os novos vinhos do Vale Meão, é para Soares Franco um dos melhores de sempre. A verdade é que não houve entre nós ninguém que não o tenha apontado como um dos melhores.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1999: A decair… resta saber se “morreu” face à comparação com o de 2000 ou se estará num fase menos boa da sua evolução.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1995: Ainda apresenta uma cor viva, bons aromas e sabor a fruta madura, com corpo e acidez.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1991: Em cor semelhante ao de 95, mas a deste 91estava ainda mais viva e intensa. Destacou-se um aroma a café. Foi sem dúvida um dos nossos favoritos! Os anos de 91 e 95 estão, para nós, numa fase em que dão muito prazer a beber, e especialmente o de 1991, ainda com muita força para durar.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1985:  Pareceu-nos que não estaria nas melhores condições.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1983: Não efectuámos registo.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1982: Chamou-nos a atenção as grandes diferenças nos aromas.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1981:  Apresentou-se muito bem nos aromas e nos sabores. Os anos 80 foram em geral a década mais decepcionante nesta prova. Demasido voláteis e evoluídos.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1978: o único da década de 70, proporcionou uma prova um pouco incompreensível e desconcertante, muito quente, doce e mastigável.
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1966
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1965
. Casa Ferreirinha Barca Velha tinto 1964

Da década de 60 não chegámos a registar notas em específico, pois foi exactamente no fim que ficámos sem palavras… os anos 60 foram sem dúvida os vencedores por unanimidade. Um Grand Finale para nos deixar saudades e a convicção da grandeza do cunho Barca Velha.

Para além dos vinhos, ficam para esta estória… as caras felizes. A confusão de copos. O maravilhoso almoço que se seguiu. E até um dia de sol na praia em Dezembro.

Connosco trouxemos alguns despojos… o ano de 1978, para celebrar as nossas colheitas, a nossa vida. Desconcertante. Imperfeita. A evoluir.

casa-la-famiglia-barca-velha-prova-vertical-vinho-douro-casa-ferreirinha-2004-2000-1999-1995-1991-1985-1983-1982-1981-1978-1966-1965-1964-bebespontocomes

La Famiglia Barca Velha: Carlos Amaro, Carlos Valente, David Jorge Silva, Edgar Santos, Emanuel Dias, Ema Martins, Joana Marta, João Craveiro Lopes (o cabecilha), Nuno Gonçalo Monteiro, Paulo Duarte e Pedro Moreira.

Local da Prova: O local escolhido democráticamente pelo grupo foi a Canastra do Fidalgo, na Costa Nova. O staff estava preparado para nos receber logo às 11 da manhã e estoicamente apoiou todo o decorrer dos trabalhos ( desde a refrigeração dos vinhos, à cedência do material – 13 decanters e muitos copos – até ao prolongar das horas ).

Fica o registo do reconfortante almoço pós-prova: Creme de Cogumelos com Ovo de Codorniz / Massada de Tamboril / Tornedó gratinado com Queijo da Serra / O Melhor Pão de Ló do Universo. Os nossos agradecimentos ao Luís Moura e à sua equipa.

Fontes históricas: “Barca Velha – Histórias de Um Vinho” de Ana Sofia Fonseca / Público – “60 anos de Barca Velha”.

Casa Ferrreirinha / Barca Velha

www.sograpevinhos.com/CasaFerreirinha

4 Comentários

    1. Desde já muito obrigada pelo seu comentário.
      Pelas pesquisas que fizemos só encontrámos as 17 colheitas, mas é verdade que encontramos também imagens do Barca Velha 1955 e inclusive à venda. Vamos enviar um email a solicitar ajuda à Sogrape, para que possamos esclarecer esta dúvida.

      1. Caro Rui, pela informação que obtivemos da Sogrape a colheita de 1955 não consta dos registos oficiais da Casa Ferreirinha, nem existe na garrafeira histórica qualquer amostra, pelo que não é possível confirmar a sua autenticidade.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *